/júri

 
 

BEGOÑA RIVAS (Fotógrafa)

Begoña Rivas nasceu em Eibar (Guipúscoa). Em 1985 estuda fotografia em Nova York. Participou numa oficina de fotografia conduzida por Douglas Kirkland. Em 1986 regressa a Espanha onde realizou o arquivo fotográfico do Museu de Arte Contemporânea. Em 1988 começa a trabalhar na imprensa para a revista “Ranking”. Seguiu-se o “El Independiente” e as revistas “Telva” e “Bit”. Em 1989 começou a trabalhar no jornal diário “El Mundo”, primeiro como fotografa e depois, de 1989 a 2003 como chefe da secção de fotografia. Actualmente realiza reportagens fotográficas para o “El Mundo” e outras publicações (“Siete Léguas”, “El Magazine”, etc.). Begoña Rivas foi membro do júri no certame de fotografia “Luis Valtueña” durante cinco edições. Este certame é organizado anualmente por “Médicos de Mundo”. Participou também no júri no concurso “Hombre de Atapuerca” em 2005. Exposições individuais de Begoña Rivas: - Casasana (Sala Pro. Zaragoza, 2002) - Casasana (Digital Self Service, 2003) Begoña Rivas participou também em diversas exposições colectivas em Espanha e noutros países.

 
       
 

CARLOS CAIRES (Artista Digital)

Nasceu a 24 de Fevereiro de 1971, natural de São Jorge, ilha da Madeira. Exerce actualmente a profissão de docente, na categoria de assistente regente em regime de exclusividade do curso de Som e Imagem da Escola das Artes, na Universidade Católica Portuguesa, Centro Regional do Porto. Lecciona as disciplinas de Argumento Interactivo para o quarto ano da especialização em Artes Digitais, Pós Produção de Vídeo como opcional e Seminário em Pós produção de Vídeo para o quarto ano da especialização em televisão. Em 1995 licenciou-se em Design / Projectação Gráfica pelo Instituto Superior de Arte e Design (ISAD), da Universidade da Madeira e em 1996 foi bolseiro ERASMUS pela mesma instituição, complementando os seus estudos na "Università degli Studi di Venezia - Facoltà di bella Arti" em Veneza, Itália, onde também colaborou em vários projectos com o Atelier de design gráfico “Zen”. Seguidamente, trabalhou durante vários anos no Diário de Notícias da Madeira como Designer Gráfico, assumindo nos dois últimos anos de serviço as funções de director do Departamento de Arte. Finalizou em Junho de 2001 o Mestrado em Som e Imagem, especialização em Artes Digitais, na Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa. “Impressão Digital”, título da sua dissertação, visava estudar novas formas de expressão artística utilizando processos interactivos na linguagem vídeo digital. No mesmo ano de 2001 recebeu uma Menção Honrosa no 1º Festival Internacional de Cinema Interactivo, PortugalMedia2001 com o único trabalho português a concurso, “ConTingÊncia#21” e em 1999 foi galardoado com o 1º prémio na categoria de Jovens Talentos no Concurso Nacional “Multimédia XXI”, com o CD-ROM Interactivo “SALOME III”. Ultimamente tem sido convidado para participar em diversas exposições, onde se destacam a exposição colectiva “What is Watt”, no Museu de Arte Contemporânea do Funchal (Madeira), onde apresentou o trabalho de vídeo instalação “Aurorgásmica” em 2003 e “TV-Banana” em 2005, e o trabalho colectivo “Podrificacion” integrado na mostra Processalia2002, em Santiago de Compostela (Galiza). Actualmente, encontra-se em doutoramento na Universidade de Paris 8 (França), no departamento de Artes Plásticas, secção “Arts des Images et Art Contemporain - Esthétique, Conception et Réalisation Interactives”, com um projecto de investigação na área da imagem vídeo digital e da narrativa interactiva.

 
       
 

JACQUES MITSCH (Realizador de Cinema)

Jacques Mitsch nasceu a 2 de Maio de 1956 em Toulon (França). Estudou Biologia. Em 1984 obteve o diploma de ensino superior em audiovisual. Depois de 1985 trabalha regularmente para os canais de televisão “France 3”, “Canal Plus”, “La Cinquieme” e “Arte”. Desde 1989 tem realizado diversas curtas e longas-metragens e tem obtido diversos prémios em vários festivais.

FILMOGRAFIA

1998
“Le Petit Frère d'Huguette” (35 mm, 18’)
“Bonjour l'ancetre” (Doc., 6 x 26’)
“Les dessous de la terre” (26’)
1999
“Le point de vue de l'échassier” (Doc., 75’)
“Les Dessous de la terre” (Doc., 4 x 26’)
“Mikrocinema”
“Penya barca” (Doc., 26’)
2000
Argumento/Script: “La cerniere expedition”
“Le gendarme à la retraite” (20’)
2001
“Cryptopuzzle” (Doc., 60’)
“Le boeuf mangeur de serpents” (Doc., 52’)
2002-2003
“Retour vers le néolithique” (Doc., 4 x 26
min. e 90’)
“L'usine s'engage” (35 mm, 4’)
“Sur la piste de Goliath” (Doc., 52’)
2004
“La grande barrière de corail” (3 x 30’)
“Micromega” (26’)
“Bonjour la question” (40 x 2’)
2005
“Gangsters de la science” (Doc., 52’)
“Le mammouth pobalski” (35 mm, 40’)
“Fumel du rock, du fer et du feu” (Doc.,
52’)
2006
“Les grands duels du sport” (Doc.,
série/series)
“La cesta punta” ( -- )

 
       
 

JOÃO PAULO BALTAZAR (Repórter Áudio e Jornalista)

João Paulo Baltazar nasceu em Angola em 1967. Frequentou a licenciatura de Comunicação Social da FCSH da Universidade Nova de Lisboa. Experimentou a telefonia na “RUT - Rádio Universidade Tejo”. Aprofundou a experiência no “1º Curso de jornalistas e animadores de rádio da TSF” e foi convidado a integrar a equipa de arranque desta emissora. Jornalista profissional desde 1988. Na rádio, foi editor das manhãs e tardes informativas, moderou o “Fórum”, realizou os programas “Argumentos” e “O Som dos Pedais” e foi chefe de redacção. Pelo meio, experimentou a televisão, na “RTP”, e os jornais, no semanário “Expresso”. Durante algum tempo foi formador no “Cenjor - Centro Protocolar de Formação Profissional para Jornalistas”. Prémio “Gazeta de Reportagem Rádio” em 1990 (com João Almeida e Paulo Bastos). Actualmente, João Paulo Baltazar coordena o espaço “Reportagem TSF”.

 
       
 

MÁRIO AUGUSTO (Jornalista e Crítico de Cinema)

Nasceu no lugar de Espinho, Vila Nova de Gaia, em Março de 1963. A paixão pelo cinema começou numa velha sala da vizinha cidade de Espinho, onde cresceu e estudou, e nos filmes que viu nas primeiras edições do Festival Internacional de Cinema de Animação, Cinanima, em finais dos anos 70, de cuja organização veio a fazer parte na década de 80. Começou a carreira de jornalista em 1985, estagiando no jornal “O Comércio do Porto”, vindo posteriormente a colaborar regularmente, sempre na área do cinema, no semanário “Sete” e nas revistas “Sábado”, “Cosmopolitan”, “Nova”, “Caras”, “Invista” e “Focus”. Fundou e dirigiu a revista “Cinemania”. Trabalhou na Rádio Comercial, na RDP Antena 1 e, em 1989, integrou a equipa fundadora da Rádio Nova, do Porto. Ainda na rádio mantém desde 2005 um espaço semanal na TSF onde divulga e analisa as estreias de cinema. Na televisão, estreou-se em 1985 nos programas infantis do canal 2 da RTP. Foi assistente de produção na RTP Porto, estação onde produziu e apresentou diversos programas e rubricas de divulgação cinematográfica. Em 1987 integrou o Departamento de Informação da RTP, onde se manteve até 1992, altura em que se transferiu para os quadros da SIC, de que ainda hoje faz parte. Na SIC integrou a equipa que produziu e realizou uma série de documentários sobre o século XX português e coordenou e apresentou diversos programas dedicados aos Óscares de Hollywood. Foi júri do ICAM para atribuição de subsídios de apoio à produção cinematográfica. Desde Maio de 2003 coordena e apresenta semanalmente o magazine “35mm” (na SIC Notícias e canais Lusomundo) onde emite muitas das entrevistas que continua a fazer, desde há quase 20 anos, às grandes estrelas do cinema norte-americano e europeu. Foi autor do livro “Nos bastidores de Hollywood” onde revela curiosidades sobre as estrelas de cinema e os bastidores do mundo mágico dos filmes. É o jornalista português que mais vezes cobriu para televisão e rádio a entrega dos Óscares.

 
 
Design :: João Seabra & Carla Almeida